data-urlencoded-name="camren-is-real-blog" class="narrow index-page">
nevarias
Cuida de mim, vê se olha com carinho pro nosso amor. Diga-me que manga é a sua fruta preferida, ria de mim, fale que as estrelas são o nosso infinito. Fique birrado comigo, rouba um beijo meu, faça-me corar, fale que foi bom ter ficado, me dê abraço de gordo, cola em mim, faça amor comigo. Vamos ter uma casa, ter três filhos, ter um husky, vários “catinhos” e uma casa da árvore, brigar por ciúmes, rir um do outro, fazer palhaçada, cantar Los Hermanos, passar uma tarde juntos, queimar a cozinha, bagunçar o quarto, fazer guerra de travesseiro, discutir Cícero, tomar chocolate quente, se esquentar em uma tarde fria, dizer eu te odeio olhando um pro outro e descobrir o quão gostoso é ficar.
Missivas para V.  (via nevarias)
despoetizei
O amor não é para os fracos. Amor é o que fica depois do desespero. Amor é o que fica depois da vingança. Amor é o que fica depois da solidão. Amor é o que fica depois das brigas. Amor é o que fica depois da bebedeira. Amor é o que fica depois da fofoca. Amor é o que fica depois das dúvidas. Amor é o que fica depois do orgulho. Amor é o que fica depois dos gritos. Amor é o que fica depois da raiva. Amor é o que fica depois dos erros. Amor é o que fica depois da cobrança. Amor é o que fica depois do cansaço. Amor é o que fica depois de ir embora. Se o amor ficou depois de tudo, não finja que ele é nada.
Fabrício Carpinejar. (via despoetizei)
velejo
Sei que você deve achar que nunca mais conseguirá transar na vida, que ninguém nunca pedirá pra ser seu marido e aquela coisa de felicidade está cada vez mais longe, ou que todas as estrelas da sorte daqui a pouco cairão na sua testa. Mas pelo amor dos céus, é só um relacionamento falido, mais um, grande áfrica. Olha o lado bom, chora hoje, deixa seus olhos líquidos escorrerem toda essa maquiagem fúnebre, desenha com rímel preto um novo dia na minha camiseta. Amanhã, de rosto novo, a gente pinta uma carinha feliz e circense, e eu te levo de carro pra ver o mar. Ninguém vai perceber seu riso postiço, o mundo inteiro vai estar ocupado sorrindo com você. Confia em mim, às vezes quem está de fora enxerga melhor. E daqui vejo seu sorriso, sei bem do que ele é capaz de fazer.
Gabito Nunes. (via velejo)
despetala
Senti saudades de você hoje. Não que eu não sinta os outros dias, não pense assim. É que hoje ela veio mais forte, trazendo lembranças que eu acreditava já ter esquecido. Estava quase conseguindo tirar você do meu coração e logo agora essa tal da saudade resolve dar uma passadinha aqui para ver como está a casa. Se ela está bem arrumada, conservada e se estou cuidando bem dela. Mas aqui não está bem. Ela está desarrumada e caindo aos pedaços. Eu tento cuidar bem dela, só que é umas visitas como essa que me faz perder o rumo das coisas e tudo desanda. Depois de um longo tempo eu consigo colocar as coisas no lugar, mas advinha quem aparece? Você, claro. Primeiro vem em forma de saudade e depois vem ao vivo e a cores. Fica uns dias, me faz derramar de tanto amor e vai embora. É até engraçado, sabe? Eu já devia ter me acostumado com esse seu vai e vem, mas tudo o que eu consigo é te amar mais e mais. Quando resolvi embarcar nessa viagem, vi muitas pessoas machucadas. Umas estavam chegando e outras querendo ir. Observei que tinha algumas que estavam tentando embarcar pela segunda vez, pensei comigo: “por que uma pessoa iria querer voltar a um lugar que já machucou ela da outra vez?”. Fiquei com essa dúvida, mas mesmo assim segui em frente e embarquei, ignorando todas as pessoas e interrogações. Pensei que com você seria diferente, que não teria coragem de me deixar do mesmo jeito que elas. E olha para mim, estou aqui toda machucada. Todo dia tento voltar aí de novo, só para ver se dessa vez dá certo. Daí me lembrei daquela pergunta: “por que uma pessoa iria querer voltar a um lugar que já machucou ela da outra vez?”. Parei para refletir e foi bem simples a resposta. É que quando uma pessoa ama de verdade, mesmo estando machucada e sem forças, ela ainda tem esperanças.
Isabelly Q. (via despetala)
inverbos
Há muito tempo eu não perdia uma noite por causa de alguém. Talvez tenha sido a pior noite da minha vida depois que te conheci. Engraçado, porque todas às noites eu vou dormir com você na cabeça, mas dessa vez foi diferente. Foi diferente porque ontem eu não senti saudade como o de costume, era só tristeza mesmo. O que eu sentia era uma imensa vontade de por um ponto final nessa nossa história sem começo. Mas, ao mesmo tempo eu queria acreditar que você era diferente, porque eu sempre tive esperança em você, sempre achei que você iria me fazer ver o mundo com outros olhos. Fiquei durante muito tempo pensando numa maneira certa de agir, foi aí que decidi esquecer essa porra de quase-amor que eu sinto por você. E era isso que mais doía, o quase-amor, porque no fundo eu queria que fosse amor. Mesmo assim, insisti em colocar um ponto final. Jurei pra mim mesmo que ontem à noite seria última vez que eu iria olhar suas fotos e ouvir a nossa música, apaguei suas mensagens, exclui suas fotos, joguei fora tudo que me lembrava você. Bateu o desespero e chorei igual uma pré-adolescente quando leva seu primeiro fora. Chorei até dormir e acordei lembrando que havia sonhado com você. Agora nem dormir em paz eu posso mais, ver você se tornou uma questão de fechar os olhos. Não chorei mais, em compensação quebrei meu juramento assim que saí da cama, fui correndo ver suas fotos e jurei de novo que seria a última vez. Fiquei triste o dia inteiro, aí você me procura, inevitável, acabei sorrindo ao ver você falando comigo. Droga, você também não me ajuda. Queria tanto ficar bem sem você, sem falar, sem contato, mas ao mesmo tempo quase morro quando você não me conta como foi seu dia. Já basta essa distância insuportável e ficar um dia sem ter noticias suas acaba comigo. Mas, decidi que preciso te esquecer. Só que eu acabo lembrando, de como você é lindo quando ta comigo, do seu sorriso, dos seus olhos fixados nos meus, das suas mãos nervosas no meu corpo, de como é bom dormir com você e sentir sua boca na minha enquanto a gente “tenta” dormir. Talvez essa é a parte que mais me dói, ter que esquecer tudo isso. Ou talvez, o que mais me dói é ter fantasiado a nossa relação porque você me deu espaço pra isso. Durante muito tempo eu esperei por você, mas infelizmente, eu não moro em um castelo e muito menos sou uma princesa, pra ficar procurando em você um príncipe pro meu conto de fadas. A não ser que você construa um castelo e me peça pra ficar e nunca mais desistir de você.
Tati Bernardi.  (via inverbos)